A consciência ambiental e os biocombustíveis

Vivemos em uma sociedade cada vez mais preocupada com o meio ambiente e os impactos por nós causados. Essa tal “consciência ambiental” é recente, apesar de em 1866 já existir formalmente uma disciplina chamada de ecologia, que estudava a relação dos seres vivos com o meio ambiente. Em 1972, com o crescimento industrial e os artefatos químicos e nucleares ameaçando a população, a ONG Clube de Roma, formada por pessoas de diversas áreas, publicou o relatório “Os limites do crescimento”, estabelecendo modelos para prognósticos futuros caso não houvesse sistemas de desenvolvimento econômico. A partir de então, a ONU e outras entidades e empresas começaram a discutir essas questões.

Consciência Ambiental - Imagem: http://engcarl.wordpress.com/

No Brasil, algo que está em voga são os biocombustíveis, fontes de energias renováveis produzidas com matérias agrícolas. Etanol, biodiesel e biomassas são os principais e estão ganhando importância por serem a alternativa mais econômica e sustentável para substituir o petróleo como fonte energética. Mas será que eles são realmente “limpos”?

Estudos comprovam que sim, por produzirem menos gases. Porém, as cinzas, os produtos químicos e os corpos estranhos presos, por exemplo, em madeiras (tintas, vernizes, corantes, pregos e fechaduras) são detalhes que, dependendo de sua destinação, podem prejudicar o meio ambiente. Mesmo que o Brasil esteja tentando se adaptar no seu ritmo aos novos padrões da economia mundial, por causa do risco cada vez maior de secas, aumento de preços e outros, ainda há muitas pessoas que praticam o desperdício, uma vez que o carvão vegetal, a lenha e a cana-de-açúcar, materiais usados para a produção de biocombustíveis, deixam aproximadamente 182 milhões de toneladas de palha e pontas não aproveitadas (quando a cana não é queimada) por ano.

A energia da biomassa, sendo renovável, limpa, de baixo preço e qualidade superior, tem uma tendência natural de substituir os combustíveis fósseis e crescer com as energias eólica e solar.

Apesar de sua abundância de material renovável e da crescente demanda mundial do etanol biocombustível, nos últimos três anos houve uma queda na exportação brasileira do etanol.  Problemas como concorrência internacional com o barateamento do etanol de milho nos Estados Unidos, por exemplo, influenciaram nessa queda. Para reverter a situação, o Brasil precisaria, entre outras coisas, de uma “reforma” no setor: mudanças nas regras da cadeia de produção, normatização internacional, diminuição de burocracias e redução geral de custos. A certificação/normatização dos biocombustíveis é uma necessidade também nos Estados Unidos e na Europa, locais que dominam esse comércio internacional.

Outros impedimentos de crescimento na indústria sucroalcooleira do país são as muitas usinas de cana falidas ou em estado decadente. Assim como em diversos outros setores, para se ter um empreendimento de sucesso, não basta conhecer o produto. Isso é importante, mas é necessário também conhecer o mercado, contextualizar a produção e estar sempre inovando, tornando o negócio competitivo.

Cana-de-açúcar

A solução que alguns empresários têm tomado é fazer fusão com empresas maiores e/ou contratar executivos de alto nível, que às vezes não conhecem tudo sobre o produto, mas sabem administrar e reestruturar. Grandes grupos internacionais têm comprado ou se associado (joint ventures) a ativos ineficientes dessa indústria e levado o produto para fora, abrindo fronteiras e garantindo o comércio. Joint ventures já estão presentes no mundo da cana, do biodiesel e do eucalipto, e têm sido positivas ao gerar desenvolvimento regional e riqueza.

Atitudes como adotar equipamentos modernos e reduzir o trabalho exaustivo dos cortadores, diversificar produtos, criar departamentos próprios para controle das finanças e armazenamento para venda em momento de entres-safras, são coisas que, com certeza, ajudam uma empresa desse setor a dar um passo à frente.

5 Comentários

  1. Amei.

  2. Preciso saber mais.

  3. Bom dia Iara,
    Obrigada pelos seus comentários.
    Estamos cadastrando para venda no site vários livros sobre biocombustíveis.
    Na próxima semana já devem estar disponíveis. Te avisarei por e-mail.
    Por enquanto estamos vendendo o livro Bioetanol de Cana-de-açúcar, caso interesse o link é:
    http://www.ofitexto.com.br/produto/bioetanol-de-cana-de-acucar.html
    Atenciosamente,
    Equipe Ofitexto.

  4. Quando se fala que o biocombustivel é ”””limpo””” está-se pensando apenas nas emissões gasosas desprovidas de compostos de enxôfre, o que é verdade.
    Mas a produção do álcool e do óleo vegetal, principalmente do óleo de palma para a fabricação de biodiesel gera uma grande carga poluidora, não tratada completamente, capaz de comprometer a integridade de nossos rios.( principalmente a originada das usinas do norte e nordeste, onde a fiscalização é frouxa).

  5. Bom dia caro José,

    Obrigada pelo comentário esclarecedor.
    Nós estamos abrindo o Portal para textos dos leitores, se você quiser produzir um artigo complementando esse, colocando outra visão, enfim, nós teremos o maior prazer em publicar.

    Atenciosamente,
    Equipe Ofitexto.

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *