Alemanha bate recorde em energia solar

Segundo dados da Associação da Indústria Solar Alemã (BSW, na sigla em alemão), publicados no início de janeiro de 2013, a produção de energia elétrica por meio de placas fotovoltaicas aumentou 45% no ano passado em comparação com 2011.

Em 2012 a Alemanha gerou aproximadamente 28 bilhões de quilowatt-hora (kWh), utilizando 1,3 milhões de sistemas fotovoltaicos e fornecendo energia elétrica para oito milhões de casas. Isso significa que a parcela no fornecimento energético do país quadruplicou nos últimos três anos.

Entre os benefícios do investimento em energia solar estão a queda dos custos na compra de painéis em até 50%, e a possibilidade de incrementar o uso de baterias para o armazenamento, além de sistemas de administração, deixando esta forma de energia disponível durante todo o dia.

A associação também estabeleceu a meta de aumentar a participação no mercado de energia solar para 10% até 2020 e pelo menos 20% até o ano de 2030.

Apesar dos investimentos, o consumidor alemão deverá pagar mais pela energia elétrica este ano. Para financiar o custo da mudança energética do país para uma matriz renovável, cada quilowatt-hora passou de 3,59 para 5,30 centavos de euro, que custará por ano aproximadamente 185 euros a mais para cada família do País.


Enquanto isso, no Brasil…

Embora tenha sido considerado o 10° país com maior potencial para investir em energias renováveis, o Brasil ainda tem poucos projetos no setor. Apesar da recente regulamentação da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), que permite o pleno funcionamento do sistema fotovoltaico conectado à rede, assim como o sistema de compensação energético, poucos consumidores adotaram esses métodos para produzir energia. Uma das vantagens oferecidas pela empresa foi a permissão para os pequenos produtores pagarem apenas uma taxa mínima em sua conta de luz, referente a acessibilidade a rede de distribuição elétrica. Até 2011, a produção energética por meio de sistemas fotovoltaicos era de 40 e 60 MWh, dos quais 50% destinados para os sistemas de telecomunicações e 50% para os sistemas de energia rural, segundo dados da ANEEL.

Fontes: Energy Market Price/Terra

Você sabia?

Que os sistemas de produção de energia solar mais comum no Brasil são àqueles conectados à rede elétrica? Eles não funcionam se não houver eletricidade, evitando que o sistema provoque acidente caso as concessionárias de energia elétrica estejam fazendo manutenção na rede. Segundo o livro Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede Elétrica, de autoria de Roberto Zilles, Livre-Docente na especialidade Energias Renováveis pela Universidade de São Paulo (USP), Wilson Negrão Macedo, Doutor em Energia pela USP e Professor Adjunto II do Instituto de Tecnologia da UFPA, Marcos André Galhardo, Doutor em Engenharia Elétrica pela UFPA, onde atualmente é Professor Adjunto, e Sérgio Henrique Ferreira de Oliveira, Doutor em Energia pelo Programa Interunidades de Pós-Graduação em Energia da USP, esses painéis podem ser instalados em quaisquer lugares, desde ambientes residenciais até locais com grande demanda energética como aeroportos e postos de gasolina.

 

 

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *