Arquitetura: o geoprocessamento e o projetista

arquitetura geoprocessamento_vitrineO geoprocessamento é uma poderosa ferramenta auxiliando o processo de implantação de edifícios em áreas urbanas, contribuindo para planejamento, conforto térmico do usuário, gerenciamento e tomadas de decisão. Com os resultados partir da utilização desta tecnologia será possível descrever as prováveis áreas de implantação da edificação, considerando o projeto, suas alternativas, suas variáveis de conforto térmico e indicando os critérios adotados para sua identificação, quantificação e interpretação.

Caso Campinas

Um exemplo foi a análise feita em uma área na região central de Campinas (SP), cidade com uma realidade urbana complexa e diferentes configurações de uso e ocupação do solo. Segundo o livro O Processo de Projeto em Arquitetura, o objetivo desta análise foi delimitar as Unidades Climáticas Urbanas de um fragmento urbano pelo cruzamento dos valores dos atributos climáticos medidos com as características associadas aos padrões de uso do solo.

 Para o estudo, foram utilizados os dados de temperatura mínima, que apresentaram diferenças significativas. O banco de dados foi elaborado a partir do Software ArcGIS 9.2. Dessa forma, por meio do cruzamento dos dados climáticos referentes às diferenças das temperaturas mínimas com as características dos padrões de uso do solo, foi possível elaborar mapas de ocorrência de ilha de calor urbana.

Os mapas de ocorrência de ilha de calor foram inseridos na categoria “temáticos”, ou seja, foram definidas as classes de informações. Veja abaixo um dos mapas referente a ocorrencia de ilha de calor em funcao da caracterizacao da verticalidade:

Mapa de diferenças térmicas: temperaturas mínimas (período de inverno). Área de estudo: região central de Campinas, SP

Na imagem constatamos que a verticalidade é um atributo relevante na formação de ilhas de calor urbana. Nesse caso, a categoria “ilha de calor de fraca intensidade” apresentou baixo índice de edificações com mais de seis pavimentos.

Em contrapartida, observa-se um alto índice de verticalização na categoria de forte intensidade. Na categoria de intensidade moderada, notam-se claramente duas tendências: a área superior da classe, com predominância de edificações de um a dois pavimentos, e a área inferior, com alta concentração de edificações de mais de seis pavimentos.

Para este exemplo fica claro as vantagens na utilização da computação gráfica e simulação computacional como ferramenta de apoio à tomada de decisões. O geoprocessamento não substitui o conhecimento e julgamento do projetista ela funciona como uma ferramenta de apoio devido a rapidez e a capacidade de processar grandes volumes de dados, liberando assim o projetista para pensar, analisar criticamente e concluir, utilizando a fundo seus conhecimentos sobre o fenômeno.

Tudo a ver

Para ler o estudo completo entre outras informações, adquira o livro O Processo de Projeto em ArquiteturaCom textos de diversos pesquisadores renomados, a obra discute os principais temas que influem no processo de projeto em Arquitetura: tanto internacionais como voltados à realidade brasileira. Gestão do processo de projeto, abordagem bioclimática, maquetes e modelos, conforto térmico e acessibilidade são tratados nesta obra.

O livro aborda ainda o processo de projeto em contextos específicos, como em escolas, edifícios de saúde ou habitação coletiva. Finalmente, discute os avanços tecnológicos e sua influência do processo de projeto, como no caso de projeto digital, displays interativos e fabricação digital.

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *