Aquecimento global aumenta biodiversidade

Segundo cientistas britânicos, o aumento de temperatura em grandes escalas de tempo favorece o surgimento de novas espécies.

A Universidade de York, na Inglaterra, divulgou os resultados de uma análise questionando as afirmações de que o aquecimento global aumentaria o número de animais em extinção.

Publicado na Proceedings of the NAtional Academy of Sciences nesta ultima quinta-feira, o estudo avaliou os padrões de biodiversidade de invertebrados marinhos registrados ao longo dos últimos 540 milhões de anos. Com a análise, foi constado que as variações de calor durante toda a história do planeta proporcionaram um surgimento de novas espécies superior ao número de espécies consideradas extintas, ou seja, um aumento positivo na biodiversidade.

O motivo que despertou esta curiosidade nos autores da pesquisa foi observar que, quanto maior a proximidade aos pólos, menores as quantidades de animais. Os dados eram conflitantes quando se considerava que um aumento na temperatura fazer a biodiversidade diminuir com o passar do tempo, mas aumentava conforme a posição geográfica.

Apesar das perspectivas otimistas, os cientistas alertam que a pesquisa mostra um aumento da biodiversidade em escalas geológicas de tempo, ou seja, que podem durar milhões de anos até se concretizarem. Enquanto isso, recomendam a preservação das espécies atuais.

Fonte: Revista Veja

Tudo a ver!

Quer conhecer outra teoria sobre as mudanças climáticas na Terra? Então leia o livro Aquecimento Global? e veja outros estudos sobre este fenômeno.

O autor responde de maneira contundente aos alarmistas do aquecimento global e aos ideólogos cientificamente desinformados que têm desvirtuado as tendências ambientais, pressionando por medidas preventivas economicamente impraticáveis, apoiadas em relatórios de modelos incompletos e exagerados. Ele ainda argumenta que o que realmente faz sentido é primeiro concentrar nossos recursos em preocupações mais imediatas, tais como água potável e suprimentos de alimentos, que podem ser abordados com uma fração do custo e salvar milhões de vidas já nos próximos 20 anos.

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *