Aquífero Guarani: potencialidades

Chama-se de aquífero a formação ou grupo de formações geológicas capazes de armazenar água (por possuir porosidade) e de fornecê-la através de poços (por possuir permeabilidade).

São, obviamente, estruturas importantes, pois constituem reservatórios de água subterrânea que podem ser usados para a indústria, a agricultura e, dependendo da qualidade, para o consumo humano, devendo ser protegidos contra contaminações e uso inadequado.

Ilustração do fluxo das águas subterrâneas e os tempos de retenção.
Fonte: Groundwater Chemistry and Treatment: Application to Danish Waterworks por Erik Gydesen and Henrik Madsen. Tradução por Editora Oficina de Textos.

Aquífero Guarani foi o nome que, em 1996, o geólogo uruguaio Danilo Anton propôs para denominar o imenso aquífero que abrange parte dos territórios do Uruguai, Argentina, Paraguai e principalmente Brasil, ocupando 1.200.000 km². Na ocasião, ele chegou a ser considerado o maior do mundo, capaz de abastecer a população brasileira por 2.500 anos.

Estudos posteriores, porém, mostraram que o Aquífero Guarani é, sim, imenso, mas menor do que se supunha e, sobretudo, com volume e qualidade da água inferiores aos estimados inicialmente. Além disso, verificou-se que ele é descontínuo, como na região de Ponta Grossa (PR), e heterogêneo.

Um dos mais importantes desses estudos, se não o principal, foi desenvolvido pelo geólogo José Luiz Flores Machado, do Serviço Geológico do Brasil. A maior parte (70% ou 840 mil km²) da área ocupada pelo aquífero está no subsolo do Brasil. O restante distribui-se entre nordeste da Argentina (255 mil km²), noroeste do Uruguai (58,5 mil km²) e sudeste do Paraguai (58,5 mil km²).

O aquífero corresponde a uma sucessão de camadas de arenito, intercaladas com camadas mais argilosas, em forma de lente, portanto, não se tem um Aquífero Guarani propriamente dito, mas sim um Sistema Aquífero Guarani. Suas camadas não são todas originadas de dunas de um antigo deserto, como as do Arenito Botucatu, e sim de intercalações de camadas com diferentes origens e permeabilidades, portanto, com mais ou menos água.

Desse modo, seu nome é uma simplificação do conceito de sistema aquífero. São camadas sedimentares de várias origens, depositadas em um intervalo de mais de 100 milhões de anos, com porosidades e permeabilidades muito variáveis, que estão a profundidades que variam de 0 a 1.800 m.

Embora algumas áreas de ocorrência do Aquífero Guarani sejam exploradas há mais de 100 anos, ainda falta muito para que ele seja bem conhecido em sua totalidade.

Fonte: Scientific American Brasil

 No Brasil, nada menos que oito estados abrigam áreas do Aquífero Guarani. Deles, São Paulo é onde a potencialidade do aquífero mais se aproxima daquela inicialmente divulgada. A cidade de Ribeirão Preto é toda abastecida por água subterrânea extraída dele, assim como Estrela, no Rio Grande do Sul. Outras 19 cidades gaúchas, pelo menos, são abastecidas pelo Aquífero Guarani. Já em Santa Catarina e Paraná, extensas áreas do aquífero têm águas com alta salinidade (salobras), não sendo potáveis. Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais requerem mais estudos, mas as águas tendem a ter boa qualidade nesses três estados.

No Uruguai a estrutura do aquífero é favorável ao fluxo das águas, mas a salinidade aumenta próximo ao Rio Uruguai. Na Argentina o aquífero encontra-se em grandes profundidades e na Província de Entre Rios a salinidade chega a ser tão alta que, em alguns pontos, é quase três vezes maior que a da água do mar. No Paraguai o aquífero mostra-se heterogêneo, com extensa área aflorante, águas de boa qualidade, mas com uma extensa faixa de águas salobras nas proximidades do Rio Paraná.

Potencialidade variável

Como consequência da heterogeneidade litológica e estrutural, a potencialidade do Aquífero Guarani é muito variável.

Em termos de vazão, por exemplo, podem-se obter mais de 200 metros cúbicos (200 mil litros) por hora em arenitos da Formação Botucatu na região do Alto Rio Uruguai, no Rio Grande do Sul. Já nos arenitos Mata e Caturrita, da região das Missões, no mesmo estado, são raros os poços com vazões acima de 5 m3/h. Em outros estados, já foram registradas vazões da ordem de 800 m3/h.

Com relação à qualidade da água, há extensas áreas onde ela não é potável, mas tem excelente potencial de uso em estâncias turísticas de águas minerais e termais. A melhor qualidade em geral está nos bordos das áreas de afloramento do aquífero e seus arredores. As maiores áreas com água de boa qualidade ficam em São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Paraguai. Na Argentina, ainda pouco se conhece não só sobre as características do aquífero como até mesmo sobre seus limites.

Fonte: Jornal da Cidade (Bauru)- JCNET

As camadas de arenito estão recobertas por basaltos em grandes extensões. Assim, a água das chuvas que vai reabastecer o aquífero precisa atravessar o basalto para chegar ao arenito. Nesse caminho, vai absorvendo cálcio e perdendo qualidade. Por isso, quanto maior a profundidade em que se situa o Aquífero Guarani, pior tende a ser a potabilidade de sua água, embora mais protegida ela esteja contra as contaminações provenientes da atividade humana. Nas áreas onde o aquífero está aflorando, bem como nos seus arredores, é que se encontra a melhor qualidade de água.

Artigo escrito pelo Geólogo Pércio de Moraes Branco.

Tudo a ver

O Serviço Geológico do Brasil, mais conhecido como CPRM disponibiliza em seu Portal uma proposta inovadora e importante para o acesso ao conhecimento científico chamado Canal Escola. Este canal tem como objetivo principal incentivar e fomentar o conhecimento sobre Ciências da Terra e contribuir como fonte didática de recursos para pesquisas de profissionais, professores e estudantes. Deste rico material oferecido pela instituição, reproduzimos um dos artigos escrito pelo Geólogo Pércio de Moraes Branco, também autor do livro Dicionário de Mineralogia e Gemologia, e acrescentamos algumas imagens relevantes para ilustrar o assunto e dividir com os nossos leitores este importante passo da CPRM em direção a uma melhor divulgação do conhecimento científico brasileiro. Para saber mais sobre o Canal Escola acesse o site www.cprm.gov.br

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *