Autor de Avaliação Ambiental de Processos Industriais fala sobre o livro

Nos últimos anos a qualidade ambiental nas indústrias vem sendo discutida de forma consistente. As rígidas legislações ambientais e a pressão que as fábricas sofrem para se adequar aos processos, tendem a trazer soluções efetivas para o setor industrial.

Com a implantação de sistemas de gestão ambiental, as indústrias necessitam de uma metodologia para avaliar seus aspectos e impactos ambientais significativos. Pensando nisso, a Editora Oficina de Textos produziu uma entrevista sobre o livro Avaliação Ambiental de Processos Industriais, de Luciano Miguel Moreira dos Santos, que acaba de ser lançado e estará disponível para compra nos próximos dias. Confira as novidades desta nova edição!

Comunitexto: O que mudou na 4ª edição do livro Avaliação Ambiental de Processos Industriais?
Luciano Miguel Moreira dos Santos: A mudança foi fundamentalmente nas informações sobre as normas da série ISO 14000, que foram excluídas pois estão em constante revisão. Os outros assuntos do livro ainda estão no limiar do conhecimento científico e bastante atuais.

C: Em questões técnicas, qual a abordagem do livro?
LMMS: Desenvolvi uma metodologia para avaliação ambiental de processos industriais através do cálculo de indicadores e índices ambientais. Cada indicador leva em conta a contribuição de vários compostos químicos emitidos por um processo, bem como o consumo de matérias-primas e energia e são transformados nos seguintes índices adimensionais:
– Aquecimento global; destruição da camada de ozônio; acidificação; eutrofização; formação de oxidantes fotoquímicos; toxicidade; consumo de recursos naturais; consumo de energia; destruição do oxigênio dissolvido em águas naturais e distúrbio local por material particulado na atmosfera.
Os vários índices são agregados em um único índice ambiental chamado IPA (índice de pressão ambiental), que representa a pressão ambiental de determinado processo em local e tempo definidos.

Luciano Miguel Moreira dos Santos, o autor

C: Qual a utilidade do software que vem com o livro? O que o leitor pode realizar com este software?
LMMS: O software calcula todos os índices ambientais a partir dos dados de emissão de um processo, que devem ser informados nos respectivos campos. A partir da utilização do software, o leitor pode acompanhar a evolução da melhoria ambiental contínua de um processo e auxiliar  na implementação das normas da série ISO 14000, especificamente a normas NBR ISO 14001. O objetivo do programa é propiciar também informações acerca de qual índice é mais representativo na pressão ambiental de um processo, concedendo uma gestão mais eficaz da qualidade ambiental de uma empresa.

C: Como docente, você poderia informar onde os alunos podem trabalhar nesta área?
LMMS: Esta metodologia pode auxiliar os alunos em trabalhos científicos, em monografias ou estágios profissionais. Porém, é uma ferramenta importante para a gestão ambiental empresarial, contribuindo para uma formação profissional superior de cursos da área técnica e de gerenciamento das empresas.

2 Comentários

  1. Boa Tarde prof. Santos.
    Hoje trabalho na industria petroquímica e vejo com um olhar de desconfiança o respeito ao meio ambiente. Acredito que exista uma força contrária que só enxerga com os olhos econômicos e não deixam que sejam implantados projetos importantes de preservação ambiental. A educação e informação é um fator preponderante para a evolução da industria no fator de desenvolvimento ambiental resultando nos seus indices. Aí é a questão, investimento… elas temem em investir em treinamentos e não se dão conta o quanto perdem na questão social e marketing ambiental..
    Agradeço,
    Marcelo

  2. Olá Marcelo,

    depois de alguns anos de trabalho na área ambiental percebo que há muita hipocrisia no meio. Entretanto, a preservação ambiental é um caminho sem volta. Como exemplo posso citar o mecanismo de desenvolvimento limpo (MDL) que foi criado para minimizar as emissões de gases de feito estufa e proporcionar o atendimento ao protocolo de Kyoto, porém, tem se mostrado insuficiente para conter o aumento das emissões. É força contrária que só enxerga com os olhos econômicos que você citou. Penso que isto mudará na medida em que os governos mundiais implementem mecanismos reais que estimulem a preservação ambiental impulsionados pela pressão da sociedade global. Também precisamos de leis ambientais mais rígidas passíveis de fiscalização.

    Abraço,

    Luciano

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *