Biocombustíveis no Brasil

De acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE), os principais combustíveis utilizados no mundo são aqueles derivados do petróleo, como o óleo diesel, a gasolina e a querosene, totalizando 87% do consumo. Mas alguns locais, como o Brasil, têm investido em biocombustíveis, ou seja, produtos com origem biológica não fóssil.

A primeira iniciativa em defesa do uso de combustíveis sustentáveis no Brasil aconteceu em 23 de novembro de 1925, durante a conferência “O álcool como combustível industrial no Brasil”, realizada pelo engenheiro civil Ernesto Lopes da Fonseca Costa na Escola Politécnica do Rio de Janeiro. O tema só ganhou força na primeira crise do petróleo em 1973, na qual, segundo a obra De Sol a Sol: a energia no séc. XXI, o País instituiu um programa de bioetanol de cana-de-açúcar.

A adoção deste programa trouxe benefícios diretos para o Brasil, como a diminuição na dependência externa de petróleo e maior controle das emissões poluentes por parte de carros que usam combustíveis fósseis. Além disso, o Brasil possui abundância em plantações de cana-de-açúcar, um dos principais componentes do biocombustíveis, tornando possível a produção em larga escala.

Segundo o livro De Sol a Sol: a energia no séc. XXI, a popularidade de combustíveis que derivam da cana-de-açúcar, como o bioetanol, também auxiliou na criação de investimentos neste setor. Desde então, muitas montadoras têm desenvolvido carros flex, que funcionam com gasolina ou álcool, criando uma vantagem para aperfeiçoar políticas de longo prazo no setor e, possivelmente, ampliar a exportação destes combustíveis para a Europa e Estados Unidos.

Atualmente, as estimativas apontam que o Brasil tem condições de produzir etanol o suficiente para substituir pelo menos 10% de toda a gasolina consumida mundialmente, melhorando a economia sem prejudicar o meio ambiente. O País também tem investido em inovações tecnológicas para aumentar a eficiência da cadeia produtiva e a sustentabilidade dos plantios de cana-de-açúcar que serão usados para originar este biocombustível, como é o caso do etanol de segunda geração, obtido a partir do bagaço da cana.

Confira abaixo um gráfico com todo o ciclo dos biocombustíveis:

E no resto do mundo?

Os dados apurados pelo Estadão mostram que, até o início da década de 2000, o Brasil era o maior mercado consumidor do biocombustível, com 7 milhões de toneladas. Os Estados Unidos ocupavam o segundo lugar, com consumo de 4 milhões de toneladas. Em 2003, veio a primeira mudança: os Estados Unidos superaram o Brasil. Desde então, a expansão do consumo americano tem sido bem mais rápida que a do Brasil.

A questão ganhou destaque no TED Talks, organização não lucrativa que visa divulgar boas ideias. Em palestra, o pesquisador da NASA (sigla em inglês para Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço) Bilal Bomani expôs alguns outros componentes que podem ser usados para produzir biocombustíveis e que têm sido testados por laboratórios Americanos. Confira:

Tudo a ver

O livro De sol a sol: a energia no séc. XXI foi escrito por Cylon Gonçalves da Silva, Doutor em Física pela Universidade da Califórnia em Berkeley, fundador do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron e Coordenador Adjunto de Programas de Cooperação Internacional e Energia da FAPESP, e aborda de forma leve e bem-humorada, um dos principais temas da atualidade: a relação dos humanos com a energia.

A obra informa sobre as principais fontes geradoras de luz e combustíveis e maneiras mais sustentáveis de obter eletricidade ou substâncias que fornecem energia aos carros sem prejudicar o planeta. Também propõe alternativas energéticas viáveis para o futuro como biocombustíveis ou desenvolvimento de usinas hidrelétricas e eólicas.

Com conteúdo rico e cientificamente sólido, este livro é de fácil leitura e assimilação. Destinado ao público jovem e adulto em geral – como divulgação científica e valiosa fonte de informação sobre um dos temas em maior evidência na atualidade.

Confira também uma entrevista com Cylon Gonçalves da Silva sobre os biocombustíveis, clicando aqui.

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *