Biocombustíveis: Solução Definitiva ou Medida Paliativa?

Para especialista, precisamos aprender a converter, de forma barata e eficiente, a energia solar diretamente em energia química.
Saiba mais.

Cylon Gonçalves da Silva

Cylon Gonçalves da Silva

O mundo vive à beira de um colapso dos suprimentos energéticos. Com o crescimento exponencial da população mundial e dos setores produtivos, a demanda por energia torna-se cada dia maior. Em 17 anos, o consumo de eletricidade aumentou 170%. Nesse mesmo período, a população do mundo passou de 5,3 bilhões para 6,5 bilhões, um acréscimo de aproximadamente 160%. Ou seja, o consumo de eletricidade aumentou mais depressa do que a população. Só no Brasil, segundo informações do IBGE, entre 1990 e 2007, o consumo de eletricidade praticamente dobrou.

Quais as alternativas de energia para o futuro? Como produzir energia limpa e em quantidades suficientes para suprir o desenvolvimento da humanidade? Os biocombustíveis seriam a solução? Para Cylon Gonçalves da Silva, ex-Secretário Nacional de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento, atual Coordenador Adjunto de Programas de Cooperação Internacional e Energia da Fapesp e autor de De sol a sol – energia no século XXI, esse tipo de suprimento energético seria uma boa solução temporária, pois no momento é uma das poucas opções tecnologicamente viáveis para reduzir emissões de gases de efeito estufa. Cylon é um defensor ferrenho da energia solar como fonte primária de energia, mas pondera que é imprescindível inventar uma tecnologia que nos leve da energia solar à energia química pela rota mais direta possível que a dos biocombustíveis.

Confira uma entrevista inédita com o autor sobre a questão:

Comunitexto: O senhor é contrário aos biocombustíveis? Por quê?

C.S.:Na verdade, sou favorável, mas como uma boa solução temporária para o problema de combustíveis de transporte. O bioetanol da cana-de-açúcar no Brasil é um bom exemplo de um excelente biocombustível. Biocombustíveis dificilmente poderão suprir todas as necessidades de combustíveis líquidos do setor mundial de transportes, mas são uma das poucas opções tecnologicamente viáveis que temos para reduzir emissões de gases de efeito estufa neste momento.

Comunitexto: Quando o senhor diz em seu livro que precisamos aprender a converter, de forma barata e eficiente, a energia solar diretamente em energia química, e que precisamos de tecnologias que tornem os biocombustíveis, assim como os combustíveis fósseis, obsoletos algum dia, o que o senhor quer dizer?

C.S.:O que eu quero dizer é que, em vez de usar plantas, que precisam de solo, água, pesticidas e adubação para converter a radiação solar em biomassa, que precisa ainda ser processada para ser transformada em combustível líquido, precisamos inventar uma tecnologia que nos leve pela rota mais direta possível da energia solar à energia química armazenada em algum combustível. Nós já temos estas rotas, por exemplo, pela produção de hidrogênio com eletricidade fotovoltaica, mas elas são caras e de baixa produtividade. Acredito que é só uma questão de tempo e pesquisa para que uma alternativa eficiente e menos cara seja desenvolvida. Aí, em lugar de usar terra para plantar cana, podemos usar a mesma terra para outras finalidades, inclusive a “não produtiva” de grandes reservas naturais.

Comunitexto: O que o senhor considera um bom e um mau biocombustível?

C.S.:Bom biocombustível é aquele que causa um menor impacto no meio ambiente do que o equivalente energético em combustível fóssil. Isto é, aquele que resulta, no balanço total de sua produção, em menor emissão de gases de efeito estufa por unidade de energia produzida, quando comparado com algum combustível fóssil, e cuja produção se revele sustentável no longo prazo. O conceito de sustentabilidade é fácil de entender, mas difícil de medir. Por isso, sempre haverá controvérsias sobre a menor ou maior sustentabilidade de um tipo de biocombustível versus outro tipo. Mas, quando as diferenças são tão gritantes como entre o bioetanol de cana-de-açúcar (bom) e o bioetanol de milho (ruim), a questão fica mais simples.

Comunitexto: Na sua opinião, qual a energia do futuro?

C.S.:Fusão nuclear (risos)… do nosso reator solar, não de reatores terrestres. Brincadeiras à parte, a energia do futuro será a mesma do presente: solar. Pois, com poucas exceções, tais como energia nuclear e geotérmica, a origem primeira de nossas fontes de energia é o Sol. Oitenta por cento da nossa energia primária hoje vem de petróleo, gás e carvão, isto é, matéria orgânica gerada pela fotossíntese, a partir da conversão da energia solar. A única coisa que vai mudar são as tecnologias de conversão da energia solar em outras formas mais apropriadas para o consumo de nossas máquinas.

Para saber mais sobre biocombustíveis e outras formas de energia, leiaDe Sol a sol – energia no século XXI. Uma nova forma de enxergar e compreender o complexo sistema da utilização consciente das formas de energia. DÚVIDAS? PERGUNTE DIRETAMENTE AO AUTOR AQUI.

Comentários

  1. SIMPLORIAMENTE, A BIOMASSA É ACESSÍVEL, BARATA, SIMPLES, DEMOCRATIZANTE, DESCENTRALIZADORA DE RENDA E AINDA CONSCIENTIZA O HOMEM SOBRE A IMPORTÃNCIA DE CONSERVAR A NATUREZA NO PLANETA (SUA CASA).
    O POTENCIAL DA BIOMASSA E A SUA CONVERSÃO “DE GRAÇA” PELA FOTOSSÍNTESE É UM PRESENTE QUE DEVÍAMOS SABER APROVEITAR, POIS SABENDO USAR NUNCA VAI FALTAR. É VITAL QUE MUITOS PRODUZAM POUCO QUE POUCOS PRODUZINDO MUITO.
    MICRODESTILARIAS DE ÁLCOOL DE CANA, MANEJO DE FLORESTAS, PCTs E PCHs, TODAS EM PEQUENA ESCALA, GERARIAM IMENSO POTENCIAL ENERGÉTICO GERANDO EMPREGO, RENDA, QUALIDADE DE VIDA, MÍNIMO IMPÁCTO AMBIENTAL E DESCENTRALIZAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO AJUDANDO A MINAR O INCHAÇO DAS MEGALÓPOLIS.
    A BIOMASSA SEMPRE FOI, É E SERÁ A ENERGIA DO FUTURO, POIS É A ÚNICA QUE ATENDE AOS REQUISITOS SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. NÃO É ENCARADA DESTA FORMA POR MOTIVOS HEGEMÔNICOS.
    ENERGIA SOLAR PARA AQUECIMENTO SIM POIS É BARATA, EFICIÊNTE E ACESSÍVEL. USINAS FOTOVOLTÁICAS, NUCLEARES, GAS, PETRÓLEO, HIDROGÊNIO, GRANDES HIDRELÉTRICAS NÃO SÃO ACESSÍVEIS, SÃO CARAS, CONCENTRADORAS, IMPACTANTES, PERIGOSAS, ARRISCADAS E INSEGURAS (APAGÕES).
    SE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL FOSSE APRENDIDA DESDE A PRÉ-ESCOLA, COM CERTEZA O HOMEM ESTARIA MAIS INTEGRADO A NATUREZA E COMPREENDERIA SUA IMPORTÃNCIA VITAL.
    SE ESTAMOS FALANDO DE FUTURO, HARMONIA E SOBREVIVÊNCIA, ESTAMOS FALANDO DE BIOMASSA.

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *