Cálculo da Biomassa com técnicas de Sensoriamento Remoto

florestal_vtrineO teor de umidade da folha é fator importante no cálculo da Biomassa de uma área de floresta. Perguntamos ao professor da Esalq, João Batista e grande especialista em quantificação florestal se é correto utilizarmos o termo biomassa quando se considera sua quantificação por técnicas de sensoriamento remoto.

Segundo o professor João Luís F. Batista “de fato, antigamente houve alguns trabalhos que o pessoal confundiu, a biomassa, que é a massa seca, com a massa verde, ou talvez a fitomassa geral, que tem água, e a água é a maior parte, então nos primeiros trabalhos houve até uma confusão pois o pessoal começou a dizer que tinha muito mais biomassa, e aí, posteriormente, mostrou-se que na verdade não era biomassa e sim água.

A quantidade de água que tem em uma árvore ou em uma floresta tem uma variabilidade absurda, tanto espacialmente quanto temporalmente, ou seja, se você estiver no trópico e o sensor remoto captar uma imagem dessa floresta tropical às 10h da manhã e outra às 15h, ele vai te dar uma relação bem diferente.

Também sabemos que ao longo do dia, no trópico, as árvores perdem água em uma quantidade suficiente a ponto de que se você colocar uma banda dendrométrica no tronco, que seja sensível na escala de décimo de minuto, você percebe a variação da espessura do tronco ao longo deste período, e obviamente isso não é crescimento vegetal, isso é o grau de turbura: a quantidade de água que está passando no tronco. O tronco além da estrutura, é um grande condutor da seiva bruta das raízes para a copa, e da seiva elaborada de cima para baixo.

Então eu acho que ao longo do tempo o pessoal optou para trabalhar com a biomassa porque ela faz mais sentido, ela é mais constante, ela vai variar no tempo, a medida que as árvores crescerem, mas para fazer isso você vai sempre precisar pegar a medida que o sensor remoto dá e fazer uma relação empírica com uma medida de campo. Eu acho que esse é o caminho.”

Tudo a ver

capona_impressão_quantificacaoMatéria retirada do livro Quantificação de recursos florestais: árvores, arvoredos e florestasUtilizando uma abordagem atual e inovadora, com conceitos, técnicas e métodos específicos para quantificação e monitoramento de árvores, arvoredos e florestas, a obra aborda os principais conhecimentos da área, como métodos destrutivos e não destrutivos, metrologia, silvimetria, inventário florestal, monitoramento e predição de atributos, entre outros.

Completam a obra quatro apêndices de revisão de conceitos matemáticos e estatísticos, imprescindíveis ao exercício da quantificação de recursos florestais.

 Para conhecer mais a obra, clique aqui

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *