Consumo exagerado e poluição

De acordo com o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, realizado pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), o Brasil produziu 64 milhões de toneladas de resíduos em 2012. Destes, 24 milhões seguiram para destinos inadequados como lixões e aterros.

As estimativas também mostram um aumento de 1,3% na produção de resíduos por habitante em relação a 2011. Isto acontece por causa da cultura do consumo exacerbado, especialmente em países mais desenvolvidos. O Relatório de Desenvolvimento da Organização das Nações Unidas aponta que 20% da população mundial é responsável por 80% dos itens consumidos no mundo.

Segundo a obra Reflexões e Práticas em Educação Ambiental: discutindo o consumo e a geração de resíduo, organizada por Juscelino Dourado e Fernanda Belizário, no cotidiano, poucas pessoas associam o ato de comprar um produto ou de utilizar um serviço com os resíduos que essa ação pode gerar. O livro aponta a falta de conhecimento do ciclo de vida de cada produto como um dos principais fatores do aumento na produção de resíduos sólidos. Confira abaixo uma imagem demonstrativa de todo o processo pelo qual um produto passa antes da compra e após o descarte:

Ainda de acordo com o livro, atualmente 54% dos municípios brasileiros dispõem seus resíduos sólidos em lixões. Apenas uma parcela ínfima de produtos irá para aterros controlados ou reciclagem. A Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública (ABLP) aponta que somente 2% dos materiais descartados no País são reciclados.

Um dos maiores empecilhos para a coleta seletiva e o reaproveitamento de resíduos sólidos está na falta de políticas públicas, postos para depósito do lixo separado e poucas ações de cooperativas em conjunto com catadores, considerando a importância destes profissionais para as cidades.

Enquanto não surgem iniciativas nestes setores, é possível cada cidadão contribuir com algumas mudanças em relação ao cuidado do próprio do lixo e, consequentemente, do meio ambiente. Para ilustrar as pequenas atitudes que fazem diferença, o Grupo Acadêmico de Iniciativa Ambiental do curso de Engenharia Ambiental da UNESP de Sorocaba preparou um infográfico, confira:

Tudo a ver

Para desenvolver uma sociedade menos consumista e com consciência ambiental, existe a necessidade de ensinar sobre meio ambiente e sustentabilidade nas escolas. O livro Reflexão e práticas em educação ambiental tem como proposta discutir estas questões atuais envolvendo ensino e meio ambiente, tratando especialmente da questão de consumo de bens, geração e descarte de resíduos, políticas públicas e pedagogia. A obra aborda a educação ambiental sob novas perspectivas, a formação de equipes de educadores ambientais e os impactos do consumo e da geração de resíduos, incluindo uma série de exemplos práticos de atividades pedagógicas para educação infantil, ensino fundamental e ensino médio.

Comentários

  1. Bom texto. Usarei em sala de aula. Grata.

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *