Do grão de areia às coleções de cristais

Imagine-se caminhando sobre uma grande superfície de minúsculas pedras preciosas, como turmalinas, granadas, zircões, epídotos e muitos, muitos quartzos de várias cores. Parece algo inusitado, mas as pessoas costumam fazer isso, especialmente no verão: a areia da praia é composta por minerais granulados, provenientes da erosão de grandes conjuntos rochosos. O quartzo incolor é o mineral mais comum nas areias brancas; em alguns lugares com areias escuras, entretanto, pode haver pedras preciosas de diversos tipos.

As características desses pequenos cristais são capazes de transformar a paisagem. A olivina, na praia havaiana de Papakolea, deixa a areia esverdeada. Na Pfeifer Beach, na Califórnia, a granada de manganês é responsável pelos tons de rosa e roxo sob os pés dos visitantes. E a variedade é tão impressionante que desperta curiosidade e a paixão dos cientistas  O geofísico canadense Rob Holman, da Universidade Oregon State, é um desses aficionados e conta com uma coleção de amostras de areia de todos os cantos do mundo. São mais de mil potinhos de areia catalogados, acompanhados por análises e fotografias ampliadas que revelam as características dos grãos. Holman acredita que estudantes de geologia podem aprender muito com sua coleção, pois a composição e o formato do grãos revelam as transformações geológicas e os processos erosivos de cada região ou continente.

Coleções são, de fato, uma importante ferramenta de aprendizado e conhecimento – desde aquelas de grãos de areias até as coleções de minerais ou pedras preciosas. O geólogo e gemólogo brasileiro Pércio M. Branco, autor do Dicionário de Mineralogia e Gemologia, conta atualmente com cerca de mil amostras de minerais, especialmente gemas, e explica como esse hobby passou a fazer parte da sua vida:

– Por que você decidiu manter uma coleção de minerais?

Colecionar coisas bonitas ou raras é um passatempo comum. Mas, para mim, a coleção de minerais tem ainda mais atrativos. Em primeiro lugar, porque os minerais são algo da natureza, não há certo ou errado com eles, e às vezes uma imperfeição num cristal o torna muito mais valioso. Além disso, são o que há de mais antigo para se colecionar, com itens que têm normalmente milhões de anos; e podemos colecionar minerais e rochas até de fora da Terra, como os meteoritos. Para os geólogos ou estudantes de geologia, essas coleções permitem maior contato com nosso objeto de estudo e nos preparam para percebermos as nuances que um mineral pode apresentar em diferentes lugares do País ou do mundo. A transparência, o brilho, a cor e até o formato de alguns minerais apresentam grandes variações dependendo da região de ocorrência.

– Como sua coleção começou?

Comecei a colecionar minerais no início da graduação. Reuni diferentes tipos de minerais em minhas atividades de campo, alguns ganhei de amigos, outros comprei em viagens ou em lojas especializadas. Havia muitas lojas em Copacabana, no Rio de Janeiro, nos anos 70, mas elas diminuíram bastante. Em Porto Alegre, onde hoje moro, elas são raras e vendem quase só pedras usadas em energização ou cristaloterapia, o que dificulta a vida dos colecionadores.

Houve uma época em que eu colecionava também selos, com imagens de minerais. Como não era fácil consegui-los, aquela coleção não se desenvolvia e deixei-a meio de lado.  Acabei dando-a de presente a um colega que colecionava selos do mesmo tipo. Ele ficou muito contente e disse que com ele se dava o contrário: tinha uma boa coleção de selos, mas sua coleção de minerais não deslanchava. Decidiu, por isso, que me daria, em troca dos selos, a sua pequena coleção de minerais. Aceitei, é claro, e enviei os selos para ele. Só que os seus minerais nunca chegaram…

– Você já vendeu sua coleção uma vez, não?

Sim, foi em 1996. Vendi 90% da minha coleção de 1.350 peças para a Universidade Luterana do Brasil (Ulbra). A coleção estava muito bem organizada, com todas as peças catalogadas, tinha muitos minerais extremamente raros e por isso atingiu um bom valor. Fiquei apenas com algumas peças com valor afetivo. Mas, logo comecei outra, porque eu estava chefiando um projeto de mapeamento das minas e garimpos do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina e tive muito contato com as pedras preciosas produzidas no sul do Brasil. Minha coleção atual é mais voltada para esse tipo de pedras.

– Qual a pedra mais bonita que você conseguiu?
É uma pergunta difícil… A pedra que considero mais bonita entre as que tenho hoje é uma vanadinita que veio do Marrocos. As pedras (tanto as preciosas, quanto as rochas e os minerais em geral) são avaliadas também pela raridade, por isso algumas peças da coleção que não são muito bonitas podem ter um valor alto. Os meteoritos, por exemplo, usualmente não são bonitos, mas são raros. Há também algumas pedras com características inusitadas: a calcantita é uma pedra muito bonita, mas tem um gosto horrível – isso até ajuda a identificá-la corretamente!

vanadinita

Vanadinita

– E qual a pedra que você  gostaria de incluir na sua coleção?

Eu gostaria de ter uma rocha da Lua! Tenho vários meteoritos, tenho tectitos (rochas cuja origem é controversa, mas que tudo indica terem vindo do espaço). Mas, uma rocha da Lua seria uma conquista!

– A manutenção é muito difícil?

Não, a maioria dos minerais não apresenta dificuldades de conservação. Algumas gemas, como a calcita, devem ser manuseadas com cuidado, porque são fáceis de quebrar.  Outras são fáceis de riscar. Também é importante evitar a luz excessiva e a umidade em alguns casos. O quartzo rosa e a ametista são pedras que perdem a cor se ficarem muito expostas à luz. A halita, a carnallita e outros minerais compostos por sais devem ser mantidos em vidros bem fechados, em locais secos.

Em termos de espaço, coleções de rochas ou minerais brutos podem ocupar mais espaço, mas geralmente são amostras de tamanho médio. As pedras lapidadas são pequenas, com raras exceções – eu tenho uma chapa de ágata polida de 50 centímetros.

– Qual a dica para quem está começando a colecionar minerais?

Normalmente, no começo, os colecionadores vão juntando pedras diferentes, de todos os tipos. Mas chega um momento em que é importante definir o que se vai colecionar: se serão amostras de rochas, pedras preciosas, ou, para ir a fundo, só um tipo ou um grupo de minerais – só quartzos, por exemplo. Essa definição ajuda o colecionador a organizar suas peças e manter um foco, para que ele possa montar uma “grande coleção”, e não apenas uma coleção grande. Também é essencial catalogar cada peça com número, nome, de onde veio, dimensões, como foi adquirida (se foi comprada, quanto pagou). Essas informações são importantíssimas e, caso apareça uma oportunidade de venda, contribuem muito para valorizar o conjunto e alcançar negociações mais interessantes.

– E para aqueles que quiserem aproveitar o verão para começar uma coleção de amostras de areia, há alguma dica?

As areias escuras das praias têm variedades de minerais bem interessantes. Na Praia Vermelha, no Rio de Janeiro, ao lado do Pão de Açúcar, há granadas vermelhas e rosa e também turmalinas pretas, por exemplo. Há várias praias brasileiras com diversidade de pedras na composição da areia. A melhor forma de observá-las é recolher uma amostra num saquinho, lavar, secar e olha com uma lupa. Para uma análise profissional, há opções como o laboratório do Serviço Geológico do Brasil, em Porto Alegre, e outras instituições que prestam esse serviço.

Dicionário de Mineralogia e Gemologia

São 8.650 verbetes, incluindo todas as espécies minerais reconhecidas pela International Mineralogical Association, além de grupos, variedades, nomes comerciais e nomes populares. Possui 118 fotos coloridas das gemas e dos minerais.
608 páginas | capa dura | R$ 138,00

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *