Engenharia – Paulo Helene dá dicas e fala sobre o desabamento de prédios no RJ

O desabamento dos três prédios no Rio de Janeiro no último dia 25, levantou uma série de dúvidas na população, principalmente quanto à segurança em reformas – uma das hipóteses da queda dos edifícios.
Confira abaixo a entrevista da Oficina de Textos com o Prof. Paulo Helene, Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo e professor da Poli, sobre as possíveis causas do desabamento, além dos cuidados ao realizar reformas.

Comunitexto:
Quais os principais cuidados que devem ser tomados ao realizar uma reforma residencial ou empresarial?
Paulo Helene: 
1 -Sempre retirar o piso antigo antes de aplicar o novo. Nunca fazer piso sobre piso;
2- Evitar de acrescentar forro falso de gesso ou madeira, ou plástico ou qualquer outro;
3- Não alterar posição de banheiras nem substituir banheira pequena por outra muito grande;
4 -Não demolir nem um pedacinho de pilares e vigas;
5- Não furar pilares e vigas;
6- Não demolir alvenarias para janelas, portas, passagens, arcos, etc., sem antes confirmar se são ou não estruturais;
7- Cuidado com prédios antigos e outras reformas existentes (antigas), ou seja, pensar sempre na imagem de um copo cheio de água onde uma simples gota a mais derrama;
8- Não fazer enchimentos de pisos;
9- As estruturas de concreto são as melhores e mais resistentes e mais duráveis. Têm em geral boa capacidade de acomodação e redistribuição, porém não pode exagerar nem sobrepor vários desaforos;
O ideal é consultar sempre um engenheiro competente.

C: No Estado de São Paulo, a Prefeitura só fiscaliza a execução de uma construção ou reforma, caso receba uma denúncia. Nesse caso, como saber se a obra é irregular?
PH: Em termos gerais, tem de ter de alvará na porta – autorização para que a obra seja iniciada, após o projeto ter sido aprovado.

Desabamento no RJ. Foto: Daniel Marenco - Folhapress

C: De que maneira as infiltrações podem comprometer a estrutura de prédios em reforma?
PH: A água é o pior inimigo do aço e o corrói de modo intenso. As estruturas dos edifícios, em geral, têm várias partes em aço, inclusive dentro do concreto. Se a água atravessar pelo concreto ou saturá-lo, poderá desencadear um processo corrosivo, expansivo ou lixiviante sendo todos estes altamente prejudiciais.

C: Após a análise da tragédia, especialistas apontam outras possíveis causas para o desabamento: recolocação de janelas alterando o projeto original; excesso de peso em obras do 9º andar e afundamento do solo pela água das chuvas. Qual sua avaliação deste quadro? Existem outras possibilidades que podem ter contribuído para a queda dos edifícios?
PH: Muitas outras, mas chuva jamais! A principal hipótese é de reformas seguidas, que não consideraram a mudança de edifício habitacional para comercial, nem o fato de se tratar de edifício muito antigo, projetado e construído com critérios hoje considerados obsoletos e insuficientes.
Em segundo lugar viria corrosão de armaduras (a oxidação e a corrosão propriamente dita), devido à agressividade do ambiente.

Assista a seguir a entrevista que Paulo Helene concedeu ao Jornal da Gazeta sobre indicadores de perigo e como agir em situação de risco como o caso do desabamento dos prédios na região central do Rio de Janeiro:

Ele também falou sobre infiltrações para o programa Bom Dia Brasil, da Rede Globo, acesse aqui: http://j.mp/yM7fg9.

Paulo Helene é doutor em Engenharia com pós-doutorado pela Universidade da Califórnia em Berkeley. Especialista em Patología de las Construcciones pelo Instituto Eduardo Torroja em Madri, Espanha. Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Atualmente é professor titular da Universidade de São Paulo (USP), pesquisador de renome, respeitado consultor de empresas privadas e presidente da ALCONPAT – Asociación Latino Americana de Contro lde Calidad, Patología y Recuperación de la Construcción. É também conselheiro editorial da Oficina de Textos.

Comentários

  1. Muito boa a entrevista com o Eng. e Prof. Paulo Helene. Não o conheço pessoalmente mas já assisti diversas palestras com ele e sempre gostei. Meu nome é Francisco Adão, trabalho com projetos estruturais e digo que dentro das diversas entrevistas que vi sobre o desabamento dos prédios no Rio, a mais ponderada e pertinente foi essa do Paulo Helene.

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *