Entenda os fusos horários

Os fusos horários fazem parte da vida de pessoas que viajam bastante, que têm amigos no exterior e muitas vezes da rotina de trabalho. O conceito de fuso horário é basicamente a delimitação de zonas por dois meridianos consecutivos da superfície terrestre cuja hora legal, por convenção, é a mesma.

Já os fusos do Sistema UTM são diferentes e estão relacionados às convenções da CIM, ou seja, de sessenta zonas ou fusos com seis graus de amplitude cada, vinculando-se ao período de rotação do Planeta.

A diferença entre hora local e hora legal

A hora local é aquela referida a um meridiano local específico. A determinação deste horário é feita com base na posição do Sol: quando ele se situa exatamente sobre o meridiano escolhido, ao “meio-dia”, ajustam-se os relógios para marcarem 12 horas. Deste modo, cada ponto localizado sobre a superfície terrestre possui uma hora diferente.

Já o conceito de hora legal, também conhecido como hora oficial, abrange o intervalo de tempo considerado por um país como sendo igual para um determinado fuso. Esta varia de país para país dentro do próprio território que o delimita.

E o horário de verão?

No Brasil, e em alguns outros países como Estados Unidos, Canadá e Austrália, o horário de verão é adotado para aproveitar a luz diurna. O simples adiantamento da hora, normalmente de uma hora, possibilita uma redução significativa no consumo de energia elétrica. Segundo pesquisas do Operador Nacional do Sistema (ONS), o último horário de verão brasileiro garantiu uma economia de 4,5% na demanda energética.

Você sabia?

Que existem três fusos horários diferentes no Brasil? São eles:

UTC −2: Atol das Rocas, Fernando de Noronha, São Pedro e São Paulo, Trindade e Martim Vaz.

UTC −3 (horário de Brasília): é usado nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste; estados de Goiás, Tocantins, Pará e Amapá; e o Distrito Federal.

UTC −4: vale para estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Amazonas, Rondônia, Acre e Roraima.

Tudo a ver

Os conceitos utilizados nesta matéria foram retirados do livro Cartografia Básica, de Paulo Roberto Fitz, doutor em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental pela UFRGS (2005) e professor adjunto do Centro Universitário La Salle. A obra aborda os diversos usos da cartografia de modo acessível tanto aos professores quanto aos profissionais técnicos, cobrindo um espectro adequado de temas com a dose de profundidade pertinente.

Entre os assuntos presentes nas páginas deste livro estão os sistemas de coordenadas e escala, introduzindo também o uso do GPS na obtenção de informação cartográfica, fontes de dados como as fotografias aéreas e as imagens de satélite, cada vez mais utilizadas na atualização e geração de novos mapas temáticos e o manuseio das cartas topográficas do mapeamento sistemático brasileiro. Se interessou? Então clique aqui e adquira o seu!

Comentários

  1. achi muito bom

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *