Entrevista: Rosaly Lopes e turismo em vulcões

Os vulcões sempre despertaram um misto de curiosidade, fascinação e medo nas pessoas. Já foram temas de aventuras hollywoodianas e apareceram em letras de músicas, e vídeos e fotos dessas belezas naturais sempre batem recordes de visualizações na internet.

Para quem não quer ficar só na imaginação e deseja conhecer um vulcão de pertinho, Rosaly Lopes, especialista em vulcanismo planetário do Jet Propulsion Laboratory, da Nasa, em Pasadena, Califórnia, concedeu uma entrevista contando os motivos que a levaram a escrever o livro Turismo de aventura em vulcões e oferecendo dicas para as pessoas que desejam visitar esses locais. Confira!

Comunitexto: Quando se começou a pensar em vulcões para turismo?

Rosaly Lopes: O turismo em vulcões existe há muito tempo. Por exemplo, o Vesúvio era uma parada no “Grand Tour”, tradicional viagem que jovens ricos realizavam pela Europa, já no século XVIII. Na verdade, o Vesúvio é uma atração turística desde a descoberta de Pompeia.

Quais foram os motivos que levaram a senhora a escrever o livro sobre vulcões?

RL: Eu queria incentivar as visitas aos vulcões e dar uma boa indicação para as pessoas sobre esses passeios interessantes. Todos os vulcões que estão no livro são potencialmente ativos. E os vulcões são interessantes para todos os públicos. Tem aqueles que são para ser visitados com o intuito de se conhecer a História, nos quais vão muitos idosos e crianças, é um programa para toda a família. Já outros vulcões são voltados para públicos de pessoas aventureiras, considerando que exigem uma expedição mais longa.

CT: Por que, apesar de os vulcões estarem entre os locais mais fotogênicos da Terra, somente alguns são visitados por um número significativo de turistas?

RL: Por vários fatores. Raramente alguém viaja com o objetivo principal de visitar um vulcão. Às vezes as pessoas não conhecem muito sobre vulcões, e pensam que todos são perigosos. Foi por isso que escrevi o livro, para encorajar as viagens a vulcões.

CT: Quais vulcões a senhora recomenda para os “iniciantes”?

RL: Se quiserem ver atividade, o Kilauea (Havaí), o Stromboli (Itália) ou o Yasur (Vanuatu). Se estiverem mais interessados em aspectos históricos, o Vesúvio (Itália), o Monte Santa Helena (EUA) ou o Monte Pelée (Martinica).

CT: Quem seria a pessoa indicada para acompanhar um turista em visita a um vulcão que esteja em um lugar mais isolado?

RL: Um guia local. Sugiro que a pessoa entre em contato com uma agência local de turismo e peça referências sobre profissionais que acompanham turistas em visitas a vulcões. Quando visitei o Erta Ale, na Etiópia, busquei na internet agências de turismo que pudessem nos levar ao local. Também é sempre bom pegar uma recomendação de conhecidos ou especialistas nas universidades e observatórios vulcânicos locais.

CT: Quais são os vulcões para turismo mais próximos do Brasil?

RL: Existem muitos no Chile e em toda a região dos Andes, que, em geral, não são muito fáceis de visitar. As ilhas Galápagos também têm vulcões muito interessantes, mas acho que os vulcões do Caribe têm a medida certa de facilidade para se conhecer, não ficam muito longe, e possuem praias muito bonitas por perto.

CT: Qual preparação um turista que irá visitar um vulcão deve fazer? O que é imprescindível levar para garantir um passeio divertido e seguro?

RL: Depende muito do tipo do vulcão, já que devem ser consideradas a natureza da viagem, as condições meteorológicas e quão longínqua é a região. Entre os itens essenciais estão os equipamentos de proteção para a cabeça e as máscaras contra gases. Quem quiser saber mais sobre os itens específicos para cada vulcão pode adquirir o livro Turismo de aventura em vulcões, que tem todas as dicas.

CT: Existem limitações para quem possui problemas de saúde (p. ex., problemas respiratórios)?

RL: Depende muito do local. Algumas pessoas (com asma ou outras dificuldades respiratórias) têm problemas perto de vulcões ativos, mas existem muitos vulcões que atualmente têm pouca ou nenhuma atividade. Se você precisa fazer escalada, é necessário estar em boa forma física. Aqueles vulcões que citei na pergunta sobre os iniciantes são relativamente fáceis de visitar.

CT: Quantos vulcões a senhora já visitou? Qual foi o mais impressionante?

RL: Foram mais de 58, em todos os continentes, com exceção da Antártida. O mais impressionante foi o Erta Ale, na Etiópia. É um lago de lava maravilhoso, que foi muito difícil de visitar pelo controle do local.

CT: A senhora pode falar um pouco mais sobre esse vulcão na Antártida?

RL: Na Antártida existe um vulcão ativo muito interessante chamado Érebo. Ele é difícil de visitar, pois não se pode ir como turista. É necessário ter algum projeto relacionado a ele para chegar até lá. Estou tentando iniciar um projeto com a National Science Foundation (NSF) para obter essa autorização.

CT: Em alguma dessas viagens ocorreu um imprevisto?

RL: Talvez a viagem mais assustadora tenha sido a que fiz pela região de Afar, na Etiópia, onde os nativos carregam armas AK-47.

CT: Conte alguns casos curiosos que aconteceram com turmas de exploração das quais a senhora participou.

RL: Uma das coisas mais interessantes dessas explorações é descobrir locais que têm a cultura muito influenciada pela atividade vulcânica. Na mitologia do Havaí, por exemplo, existem divindades especialmente relacionadas com vulcões. Em outros locais, como na Nova Zelândia, utiliza-se a energia geotérmica gerada pelo calor dos vulcões para produzir energia elétrica.

O que a senhora tem a dizer para quem ainda está em dúvida sobre fazer esse tipo de viagem?

RL: Faça. Vale a pena, porque os vulcões são muito bonitos e interessantes.

Ficou curioso?

Corra para a nossa página no Facebook (clique aqui) e fique atento às promoções. Vamos sortear um exemplar do livro Turismo de aventura em vulcões.

Tudo a ver

O livro Turismo de aventura em vulcões foi escrito pela especialista Rosaly Lopes para mostrar que não apenas é possível, mas também muito empolgante visitar alguns vulcões ativos, sempre com segurança.

A obra leva aos leitores e viajantes roteiros e histórias a respeito de alguns dos principais vulcões da Terra. Ilustrada com fotos magníficas, a maioria delas de viagens da autora, traz, além de informações sobre os diferentes tipos de vulcões e de erupções, todas as informações de ordem prática para quem efetivamente deseja visitar, explorar e fotografar vulcões. É a leitura ideal para os caçadores de aventuras e para os interessados nos fenômenos geológicos.

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *