Evolução das provas de carga em estacas

O engenheiro e consultor Urbano Rodriguez Alonso ministrou uma palestra,  no dia 18 de junho, com o tema “Provas de Carga em Estacas – Evolução dos Sistemas de Reação e da Norma” no Instituto de Engenharia, com o intuito oferecer um histórico do que ocorreu no Brasil para engenheiros que estão iniciando a carreira.

Entre os assuntos abordados na palestra, estava a realização da primeira prova de carga em estacas, que aconteceu em novembro de 1935, no Rio de Janeiro. Confira a foto:

Foto retirada da apresentação de Urbano Alonso

Foto retirada da apresentação de Urbano Alonso

Outro elemento curioso destacado por Urbano Alonso está no fato das provas serem consideradas eventos grandiosos na época, fazendo com que todos quisessem ser fotografados. Confira abaixo um exemplo deste fato, nesta imagem de prova de carga (em sapata) das fundações do Edifício Martinelli, em 1928/29, em SP (Vasconcelos, 1985):

Martinelli

Foto retirada da apresentação de Urbano Alonso

Urbano Alonso também contou aos estudantes quais eram as indicações para os engenheiros que desejassem realizar uma prova de carga em estacas sem maiores problemas. Sendo duas delas:

a) A carga deve ser aplicada em estágios sucessivos não superiores a 20% da carga de trabalho provável da estaca. Eram usados apenas dois deflectômetros para medir os recalques;
b) Em cada estágio de carga os recalques serão lidos imediatamente após a aplicação desta carga e após intervalos de tempo que vão de 1 a 30 minutos e, posteriormente, a mesma quantidade de horas. Só será aplicado novo acréscimo de carga depois de verificada a estabilização dos recalques (com tolerância máxima de 5% do recalque total neste estágio, entre leituras sucessivas);

Se você ficou curioso em relação aos outros tópicos abordados na apresentação, ainda pode conferir o conteúdo completo da palestra clicando aqui.

Fonte: ABMS

Você sabia?

Em obras de rebaixamento de aquíferos, necessárias para realizar escavações e construções em ambientes seguros, são feitos cálculos das perdas de carga. Os cálculos mais freqüentes em rebaixamentos estão relacionados à tubulação com diâmetro constante e vazão também constante, e tubulação com diâmetro constante, porém, com vazão variável. Confira abaixo uma tabela retirada do livro Rebaixamento Temporário de Aquíferos, de Urbano Rodriguez Alonso, com as principais perdas de carga provocadas por algumas peças de conexão e registros, traduzidas em comprimento equivalente de canalização retilínea, ou seja, metros de canalização que, sob o ponto de vista hidráulico, oferece a mesma perda de carga:

Comprimentos equivalentes de canalização reta e de igual diâmetro (em m). Foto retirada do livro Rebaixamento temporário de aquíferos

Comprimentos equivalentes de canalização reta e de igual diâmetro (em m). Foto retirada do livro Rebaixamento temporário de aquíferos

Tudo a ver

Urbano Rodriguez Alonso, especialista e consultor de geotecnia e fundações, é autor do livro Rebaixamento Temporário de Aquíferos. A obra é um valioso manual e abrange vários sistemas de rebaixamento e apresenta os critérios para seleção e dimensionamento de cada um deles e de seus equipamentos. Esses projetos específicos são completados pelo quadro de referência a respeito dos aspectos geotécnicos, hidráulicos e mecânicos de motores, bombas e demais componentes importantes, sem descuidar da drenagem superficial e profunda que os complementam.

Entre os sistemas de rebaixamento são tratados: bombeamento direto; ponteiras; injetores e ejetores; e bombeamento submerso. Exemplos de casos reais e exercícios resolvidos permitem ao leitor compartilhar da grande experiência do engenheiro Urbano Alonso, um nome de destaque na prática da Engenharia.

O livro destina-se a engenheiros civis, estudantes e demais profissionais envolvidos com obras civis.

2 Comentários

  1. em que ano foi ministrada esta palestra?

  2. Olá Renata,

    Nosso autor, Urbano Alonso ministrou a palestra “Provas de Carga em Estacas – Evolução dos Sistemas de Reação e da Norma” em 2013. Para saber mais detalhes acesse: http://www.abms.com.br/home/nucleos/sao-paulo/indice/1134-urbano-alonso-reune-120-pessoas-em-palestra-sobre-provas-de-carga-em-estacas

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *