Uma homenagem à Fernando Flávio Marques de Almeida

Fernando Flávio de AlmeidaFernando Flávio Marques de Almeida, grande referência da Geologia, faleceu no último 2 de agosto, deixando um grande legado para a comunidade científica brasileira, em especial, o livro Geologia do Brasil, lançado no mês de maio deste ano.

Fernando Almeida nasceu em 1916, no Rio de Janeiro, mas estudou em São Paulo, graduando-se em Engenharia Civil na Escola Politécnica, unidade na qual permaneceu durante 35 anos. Até 1969, esteve em regime de tempo parcial, o que lhe permitiu ingressar e atuar em outros órgãos, como no IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas). Depois desta data, assumiu regime de dedicação integral à docência e pesquisa. Aposentou-se em 1974. Em 1978, recebeu da Poli o título de professor emérito. O professor tem em sua lista de contribuições mais de 300 livros.

Almeidaita, recente descoberta mineral, nomeada em homenagem ao professor.

Almeidaita, recente descoberta mineral, nomeada em homenagem ao professor.

Segundo matéria da Folha de São Paulo (clique aqui), Fernando recebeu em 2013 uma bela homenagem de seus colegas: um mineral descoberto no interior da Bahia foi batizado de “Almeidaita” – em referência ao sobrenome do geólogo. Muitos são os seus admiradores, e, dada a sua importância, convidamos o professor Celso Dal Ré Carneiro, um dos organizadores da obra Geologia do Brasil, para contar um pouco da sua experiência e convívio com o cientista.

Comunitexto: Qual é a importância da obra e atuação de Fernando de Almeida para o desenvolvimento da Geologia no Brasil?

Celso Dal Ré Carneiro: O Professor Paulo Cesar Soares escreveu um email há alguns dias, quando do falecimento do Professor Fernando de Almeida. Expôs aquilo que todos sabem: FFMA esteve sempre à frente de seu tempo. Veja este trecho mais longo que extraí das palavras de Paulo:
“Já pesquisador, com outros colegas, investigamos a divisão do Botucatu; FFMA já a havia percebido. Depois, mapeamos a divisão do Bauru; FFMA já a havia discutido, dividido e denominado, como por exemplo, Formação Marília. Então investigamos e mapeamos a divisão do Grupo Itararé em São Paulo; mas FFMA já havia o dividido em cinco formações, examinando os testemunhos de um poço do CNP e a quadrícula de Piracicaba. Levantamos as formações superficiais associadas às paleo-superfícies no centro sul do Brasil; FFMA já as havia reconhecido e denominado. Investigamos a divisão em sequências sensu Sloss, nas bacias do Paraná, Amazonas e Parnaíba; lá estavam as pegadas do mestre. Passamos a mapear e estudar o Pré-Cambriano do Sul de Minas; as grandes unidades já haviam sido definidas por FFMA (e por Ebert). Um amplo projeto para o Pantanal, uma bacia interior atual; lá FFMA já havia trilhado e revelado ideias inovadoras, incluindo sua formação Xaraiés. Investigamos as paleosuperfícies no Paraná; FFMA já as havia dividido e denominado”.
Enfim, Paulo Soares afirmou, com clara exatidão, que o Professor Fernando esteve “sempre atento às novas ideias e às possibilidades de serem usadas e difundidas. Foi um farol e inspiração para gerações de geólogos brasileiros“.

CT: O senhor trabalhou ao lado do Geólogo desde que se formou na USP, primeiro como seu assistente e depois no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) por 18 anos. O que poderia dizer de mais relevante neste tempo de convívio com o Pesquisador?

CDRC: O IPT foi importantíssimo para o Professor Fernando. Ele teve ali seu primeiro e também seu último emprego formal. Ao se desligar, em 1995, já tinha ultrapassado os 70 anos de idade, mas não tinha perdido um micronésio de sua lucidez. Durante esses 18 anos finais de trabalho no IPT, o Professor orientou pesquisas, participou ativamente de projetos, foi ao campo inúmeras vezes e elaborou trabalhos de enorme importância científica – alguns dos quais serviram de base para essa edição de “Geologia do Brasil”.

Fontes: Site da USP e Jornal Folha de SP (currículo e curiosidade), Fabre Minerales (foto Almeidata), Associação dos Geólogos de Pernambuco (foto do professor).

Tudo a ver:

Vitrine_Geologia do brasil Geologia do Brasil reúne pesquisadores de diferentes áreas da Geologia em uma publicação que apresenta e atualiza o conhecimento geológico de forma completa e didática, para estudantes e profissionais da área. No DVD anexo, além do livro digitalizado, mais um artigo inédito e a versão digital do livro Geologia do Continente Sul-Americano: Evolução da Obra.

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *