Novo livro abordando o concreto armado e protendido!

capa_desconstruindoA Oficina de Textos lança este mês o livro Desconstruindo o projeto estrutural de edifícios: concreto armado e protendido de José Sérgio dos Santos.

O livro apresenta o projeto na sequência em que a obra é executada, desde a locação dos pilares, fundações e cintamento até escadas, vigas, lajes, protensão e caixas d’água, permitindo a compreensão correta das informações em plantas, cortes e detalhes durante a execução com mais de 100 ilustrações!

Segundo o autor, “muitas vezes, o livro de cálculo  calcula o elemento, mas não vê a ligação desse elemento dentro de um todo, e como representar esse resultado em projeto. Então o diferencial do livro é a forma como é apresentado o assunto, ele é muito rico em detalhes, de imagens, coisas que os livros de cálculo muitas vezes não têm, porque focam na parte numérica, e a obra Desconstruindo o projeto estrutural de edifícios está focando muito na parte de como representar o resultado desses cálculos numéricos, e como ler, interpretar esses números,  explicando passo a passo de como é feita essa leitura.”

Além do abordagem do concreto armado, o autor dedica parte de seu conteúdo ao concreto protendido, “o concreto protendido tem certos mitos com poucos livros em português tratando deste tema!”. O livro fala por exemplo da Cordoalha Engraxada, uma nova tecnologia surgida no País no final da década de 90, trazida dos EUA, onde já é empregada há mais de 50 anos, e que ainda há pouca referência sobre sua utilização aqui. Segundo o autor “houve uma disseminação muito grande dessa tecnologia nos últimos anos, porque ela realmente faz com que as obras tenham um diferencial.”

“O concreto protendido já vem sendo utilizado no Brasil há muito tempo atrás, mesmo antes da década de 90, mas em grandes construções de pontes, de viadutos. Por exemplo o MASP é de concreto protendido, só que outro material, já que na época não tinha a Cordoalha Engraxada. Eram macacos maiores e acabava ficando muito caro só interessando em obras de porte. Então com o advento dessa nova tecnologia, que é da cordoalha engraxada, ela se tornou economicamente viável para obras de pequeno porte, de edifícios comerciais, residenciais, escolas. Hoje ela chega a ser até um pouco mais barato que o concreto armado”, completa o autor José Sérgio dos Santos.

O livro acompanha um lindo marca-páginas (com perfil de edifícios para recortar) 

vitrine_desconstruindo_lançamento