Reservas naturais podem salvar espécies de extinção

A ideia de que apenas áreas fixas de preservação no oceano podem ser criadas está ultrapassada e não reflete o comportamento dinâmico de algumas criaturas marinhas.

O diretor científico do Centro para Soluções Oceânicas da Universidade de Stanford afirma que menos de 1% do oceano está protegido atualmente e parques marinhos, que são estruturas de conservação da natureza e de integração da biodiversidade, tendem a ser determinados ao redor de objetos que ficam parados, como recifes de coral ou montanhas marinhas. No entanto, estudos com rastreamento mostraram que muitos organismos, peixes, mamíferos marinhos, tartarugas marinhas, aves marinhas e tubarões, respondem a traços oceanográficos que não têm um ponto fixo, pois os animais se movem e seguem correntes de acordo com as estações do ano, baseando-se nas mudanças climáticas oceanográficas. Então, o desafio está justamente em determinar um sistema de reservas marinhas que seja tão dinâmico como as criaturas que se tenta proteger.

Para fazer o monitoramento da vida marinha são colocados nos animais dispositivos que estão cada vez mais sofisticados, com inovações que melhoram as funções e desempenhos dos dispositivos de rastreamento, e essa tecnologia não registra apenas o local onde os animais se encontram, mas também fornece dados sobre o estado dos oceanos.

Hoje em dia é possível colocar sensores múltiplos em um único dispositivo, além de melhorar seu desempenho com um painel de energia solar, permitindo ver o que um animal está fazendo em dimensões múltiplas e por longos períodos de tempo.

Fonte: BBC News


Tudo a ver!
Outro aspecto importantíssimo para o conhecimento dos oceanos é o udo das ferramentas de sensoriamento remoto. O livro Oceanografia por Satélites tem muito a acrescentar, pois aborda variáveis físicas que controlam o clima e o tempo marinho, correntes, ondas, ventos, fitoplâncton, pesca, óleo no mar, entre muitas outras. Trata-se de uma obra imprescindível para contribuição na preservação da vida marinha.

 

 

Deixe sua opinião!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *